polui.jpg

Se você não é parte da solução é parte da poluição

Sobre o aquecimento global e o que ele produz? Como escassez hídrica, refugiados do clima, guerras por água, extinções em massa?

Não, não é o capitalismo, é mais do que o capitalismo, é o produtivismo.

O produtivismo atinge todos os sistemas adotados desde o século XIX, sem exceção, seja o capitalismo liberal, o capitalismo nazi-fascista ou o socialismo realmente existente.

A ideia de progresso e do planeta como fonte de recursos infinitos, foda-se os resíduos do avanço da produção humana no meio ambiente, é comum tanto aos EUA quanto à URSS em grande parte do século XX e pós 1989 a todo o planeta.

Foda-se se com governos ditatoriais de direita ou esquerda, foda-se se com governos “democráticos” de direita ou esquerda.

Nenhum sistema fez PORRA NENHUMA para construir concretamente uma busca de reversão do avanço da deteriorização do planeta e dos biomas, pelo contrário.

Todos, sem exceção, avançaram na detonação do planeta e na ampliação da lógica de consumo de recursos até acabar, com todo o impacto que isso provoca, que vão da poluição ao esgotamento de solo, recursos hídricos,etc.

A URSS era mais poluente enquanto durou que toda a produção industrial estadunidense, que era, e é, poluente para caralho.

Então não, não é o capitalismo, é muito mais que o capitalismo, é um ethos moderno de progresso, progressismo, avanço irracional e exploração da terra como recurso infinito, que não existe.

É uma lógica da própria ciência econômica que caga solenemente pra finitude de recursos.

Enquanto tudo isso não mudar, inclusive toda a constituição da própria produção científica, especialmente na área de humanas, fica complicadíssimo discutirmos avanços e correções, sociedades livres e equilibradas com o planeta.

Culpar só o capitalismo é um escapismo sub-intelectual, é ignorar os erros dos próprios passos da grande parte dos sistemas ideológicos e produzidos enquanto política do século XIX pra cá.

O buraco é mais embaixo.

“Sustentabilidade” é balela, não existe isso enquanto o paradigma da produção e do consumo não forem radicalmente transformados.

E pra gente começar a discutir como transformar radicalmente produção e consumo não podemos parar no lucro, temos de bater também na lógica de comércio global, na própria ideia de progresso tecnológico e de comunicação, que depende demais da mineração, que é um troço que tá acabando com o planeta, e por aí vai.

Sim, o planeta precisa da gente repensando até nossa vida cosmopolita e comodamente sentada no convés da revolução dos transportes e comunicações pós século XIX.

E sim, a gente talvez seja mais vivo e feliz como planeta e civilizações com uma vida mais parecida com a de nossos tataravós.

Sim, é preciso reduzir a distância entre produção e consumo, reduzir o impacto dos transportes, dos combustíveis, da mineração, dos agrotóxicos, do lucro.

Pra isso é preciso parar com a fetichização do crescimento econômico e buscar o equilíbrio ecológico.

Difícil,né? Muito, principalmente quando a maior parte da esquerda dita revolucionária mundial ainda vive em tempos pré cambrianos e comemora crescimento econômico, uso de petróleo pra financiar educação,etc.

Sim, é utópico o que escrevo, mas entre o utópico e a extinção, que calcula-se que pode vir entre cem e duzentos anos à frente, acho que a utopia é uma boa aposta.

Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s