20jun2013---militantes-de-partidos-politicos-e-manifestantes-brigam-durante-concentracao-nos-dois-sentidos-da-avenida-paulista-na-regiao-central-de-sao-paulo-em-protesto-nesta-quinta-feira-20-1371766737995_1920x1080

Desde há muito tempo percebemos que a atuação política via internet é muito forte.

Há dez anos apenas parte da internet era usada para ação política, na maior parte para articulações ou circulação de informações via blogs, listas de e-mail, sites,etc.

Hoje em dia a internet é parte importante de ação política, agitação e propaganda via seus inúmeros meios e ferramentas.

É possível atuar na internet em blogs, redes sociais das mais variadas, nestas com enquetes, memes e a clássica circulação de notícias dos mais variados veículos.

Há também abaixo assinados virtuais como Avaaz ou Change.org e ferramentas de governança via internet como e-cidadania.

Além disso, há ferramentas de pressão, que utilizam e-mails de vereadores e deputados para envio em massa de protestos e reivindicações, como Meu Rio e Panela de pressão.

Tudo isso é extremamente válido e funcional, facilita em muito as coisas,especialmente pra quem é mais velho,mais cansado, com mais problemas de mobilidade.

Também são ferramentas de formação muito eficientes, é possível trabalhar de forma a construir debates e discussões, apontando erros,acertos, caminhos, trabalhar releituras dos clássicos políticos, inserir ganhos teóricos ao debate político,etc..

Os blogs são, ainda, meios de atuação muito interessante para construir propostas teóricas, debates fraternos, crítica e autocrítica. Medium e ferramentas similares também.

A questão é: Essas ferramentas bastam? A meu ver a resposta é simples: Não!

Sem ocupações de escolas, terras, órgãos públicos, ruas, sem pressão cotidiana no estado e nas comunidades, sem escolas de formação, sem construção de assembleias de decisão horizontal, sem construção de redes de economia solidária, de política solidária, de compartilhamento de informações, arquivos, músicas, produção artística e conhecimento nada disso serve para muito além de alívio de consciência pesada.

Política se faz na rua. Quem faz política de gabinete é quem senta na representação e a partir dela usufrui de um poder delegado como se fosse seu. A estes interessa a militância estritamente virtual.

O problema é que cada vez mais mais e mais gente, especialmente entre diletantes e anarquistas, a militância virtual é a única e parca atuação. Por isso muitas vezes o militante virtual é um militante cujas contradições presentes em nós todos aparecem mais claras.

Na militância virtual há o LGBT machista, o anarquistas racista, o socialista homofóbico e por ai vai.

Outro fenômeno é a santa inocência, presente em todos, mas berrante na direita, que aceita informações, quaisquer uma, como verdade mesmo que a fonte seja uma só, sem nenhum endosso de qualquer outra, por mais absurda que seja. Um sub fenômeno desse é aquele clássico “Repassem até chegar em..” mesmo o objetivo final do protesto seja um ator político, como Temer, que vai cagar gomas asiáticas forjadas em Wakanda ao ler o tal protesto.

A relação “mágica” com a Web como se uma voz fosse ouvida com respeito por ser uma voz, u pensamento liberal inclusive, é a crença em coelho da páscoa aplicada à ideologia.

A relação “mágica” com a Web também substitui o Jornal Nacional na cabeça de milhões de brasileiros cujo analfabetismo funcional abraçado à preguiça monstra de olhar a data de notícias transforma qualquer notícia de 1983 em um meio de atacar personagens nascidos em 1996.

Isso tudo é parte da ausência de concretude das lutas, da ausência de vivência de militantes entre si e na comunidade, de ausência de conhecimento prático da política e da extensão do efeito das ações políticas.

Outra coisa linda desse fenômeno é o uso de notícias pelo teor negativo dela para o inimigo, sem sequer fazer um comparativo crítico desta mesma notícia quando aplicada a aliados.

Por isso Temer cancelando o FIES pra uma universidade é mais grave do que Dilma fazendo exatamente o mesmo pra duas, porque é ele, ele é inimigo e ponto.

E a politica nisso? Foi transformada em menos do que intriga de quinta série. Briga de torcida é menos rebaixada.

O interessante desse fenômeno é que ele trabalha em paralelo com outra forma de despolitização feita via internet e pela mídia: A santificação da política institucional como único caminho da atuação política e a transformação da ideologia em uma espécie de arque tipificação de grupos sociais sem nenhum tipo de relação entre o que é o comunismo, por exemplo, e as ações cotidianas dos atores políticos da política institucional, o mesmo para o liberalismo, o conservadorismo,etc..

O mais engraçado é que os mesmos cientistas políticos e âncoras de TV, comentaristas de sites cobram uma política mais “ideológica” e ”programática” enquanto esvaziam em seus discursos toda política de sua ideologia e programa.

Esses comentaristas, cientistas políticos,etc, trabalham com a política como se fosse um manual da institucionalidade estruturalista do XIX, um manual recortado, que ignora a complexidade do real e trabalha as instituições francesas, inglesas e estadunidenses como idênticas as brasileiras porque tem o mesmo nome e porque as constituições dialogam. Além disso, transformam o MST em ideológico, o Bolsonaro em não -ideológico. Difícil dizer quanto isso é estupidez e o quanto é desonestidade intelectual.

Quando juntamos esses fenômenos o que temos?

Uma redução da política a um teatro de aparências e ações que esvaziam as ruas e todo o locus de disputa cotidianos e a transformam em ferramentas de representação, em suas múltiplas formas de categorização, onde o parecer ação é mais importante que a ação.

Esse tipo de mimetização da política em parecer política acaba permitindo que o “engajado” seja apenas um construtor de memes, enquanto isso as ruas, as praças, os parlamentos, os debates nas padarias e botecos tornam-se hegemonizados por um senso comum que nunca vai ler o construtor de memes e abaixo-assinados da esquerda porque ele jamais leva esse debate com ele pra rua. Na rua ele é anônimo.

E ser anônimo na rua é ser nada.

Fazer política é, de alguma forma, ocupar as ruas. Nem que seja construindo aulas, falando na padaria,mas sempre, disputando espaços ideológicos.

Construir apenas virtualmente, podendo ir além, é fazer menos de 10% do processo necessário pra mudar o mundo.

Não adianta compartilhar meme até chegar em Temer, isso sequer é engraçado.

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s