cozinherioladraomulher

O PT é a direita burocrática, uma versão da Boliburguesia chavista,mas construída a mais tempo e estabelecida primeiro a partir da ocupação de postos na burocracia sindical, depois nos Fundos de Pensão, depois do aparato do estado e daí das estatais,etc. Também houve avanço pra ocupação de postos no ministério público e justiça, que desde os anos 90 tinham especial interesse do grupo do José Dirceu que incitava jovens militantes da direita do PT a buscarem entrada nestas instituições.
 
Ao contrário da Boliburguesia chavista, a Burocracia estatal do PT foi construída no médio prazo e antes do PT galgar postos no executivo.
 
As experiências das prefeituras de Fortaleza e Diadema conquistadas em 1982 deixaram traumas,mas ensinaram muito e paulatinamente convenceram à direita do PT da necessidade de fortalecimento institucional do partido com uma tática de burocratização e profissionalização agressiva e célere.
 
Essa tática não nasce desde 1988,mas após as experiências das prefeituras municipais conquistadas a partir de 1988 ampliaram o alerta ligado na direita interna do partido para a necessidade de uma ocupação sistemática do máximo de aparatos de estado possíveis para garantir o projeto de conquista do governo federal e até mais.
 
Pois bem, essa tática chega ao ápice nos mandatos de Lula no governo federal. Se no primeiro mandato o PT ainda tateou e cometeu erros que quase o apearam do poder no escândalo do mensalão, dai em diante todo o aparato do estado ocupado no decorrer dos anos foi utilizado com eficiência para garantir no mínimo uma forte barreira protetiva ao partido quando das rusgas pelo cargo de gerente do capitalismo nacional, também conhecido como Presidente da República.
 
O que nos leva às leituras desencontradas e erros táticos da mídia corporativa e da direita tradicional no ataque ao PT no governo Dilma.
 
Por que? Porque ambos apelaram para esquemas old school de conspiracionismo, só que baseados em estruturas frágeis como alicerce.
 
Ao encontrarem o PT em seu pior momento desde 2005 a velha direita apelou para um sub-Lacerda (Cunha) sustentado por um Temer que pela primeira vez teve de se valer de sua suposta competência política para costurar um corpo de suporte a um golpe parlamentar e institucional que o colocasse no posto mais ato do pódio político nacional.
 
O erro que cometeram foi esquecer de combinar com os russos.
 
E com eles mesmos. Parte da velha direita sequer foi convidada pra discutir a festa. A arrogância do Sub-Lacerda e do suposto competente articulador de golpes Michel Temer foi combinada a uma arrogância tucana que beirou a uma inocência tosca na análise conjuntural que desprezou a inteligência da população.
 
À insatisfação com o governo, a economia, o universo e tudo o mais não se combinou o desejo de apear a presidenta e o Partido dos Trabalhadores do poder, à revelia do que Aécio e seus Blue Caps acreditavam.
 
E o motivo foi menos uma lembrança grata pelos avanços produzidos nos governos do PT e mais uma enorme incompetência da oposição da velha direita em ler o óbvio desde 2013: A rapaziada quer mudar e até topa mudar no escuro, mas não pra um prédio velho,carcomido e em situação pior do que as que ela já vive.
 
Assim, quando Cunha é pego com várias bocas em várias botijas toda a sustentação golpista em torno dele vai para a volumosa casa daquela parte do corpo que não podemos escrever neste horário.
 
Hoje até Temer é vinculado à Cunha,menos por seus laços partidários e mais por laços comerciais.
 
E como ficam Aécio e seus Blue Caps que famintos por uma vingança tola contra o PT esqueceram de raciocinar? Dançam o Mambo da derrota prévia.
 
Ao colar em Cunha toda a velha direita, do PSDB a Bolsonaro passando pelo PMDB do Temer, perdeu o lastro de principal fonte do ódio à “corrupção do PT”, viraram o “É tudo farinha do mesmo saco”.
 
E ai,meu Rei, foi-se!
 
Enquanto isso o PT acumula o cargo de direita burocrática com gerente da tecnocracia financeira, amplia seus laços com a burguesia tradicional chegando a postos outrora ocupados pelo PSDB. E salvo pelo gongo de Cunha sustenta uma ressurreição que só a máquina federal,e as máquinas estaduais, podem fazer por você.
 
Lembrando que o PSDB tem menos máquina, está desgastado em SP,PR e GO. Que o PMDB tá muito mal no RJ e no RS e que DEM,et caterva não tão anda bem.
 
E o PT? Bem, o PT tem problemas nos estados,mas de todos eles apenas Mariana, que ninguém quer tocar para não arrebentar todo mundo,é um problema concreto que danifica nos estados a imagem política do partido de forma nada bonita. E mesmo em Mariana, com apoio da grande mídia, há chances de recuperação com alguma inteligência (que anda faltando).
 
Para a esquerda partidária a coisa toda fica complicada quando ela ainda tenta salvar a ala minoritária do PT que ainda é de esquerda (ou acredita ser de esquerda) de si mesma.
 
Perdida numa mistura de aprisionamento, síndrome de Estocolmo e ausência de lugar para onde ir, a esquerda do PT sobrevive dentro do partido como grilo falante afônico de um partido que não dá guinada à esquerda nem emparedado.
 
Quando a esquerda partidária “de oposição” sustenta essa ilusão e produz uma linha auxiliar que a apoia nas ruas, ela apenas se torna uma parte do grande Leviatã que o PT virou e mantém ilusionada parte da população que acha que esse monstro burocrático ainda é um partido de esquerda.
 
Enquanto isso a esquerda autônoma e anárquica ocupa Escolas, Universidades, morros,etc e mesmo em pequeno número fazem a diferença.
 
E a REDE? Bem, na REDE Marina sorri enquanto balança.

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s