O crescimento do PSOL em 2012 foi inegável, apresentando-se com campanhas com uma postura à esquerda, efetuando um contraponto às milionárias campanhas patrocinadas pelo PT e seus aliados nas capitais, assim como as da direita tradicional.
Ao apostar na mobilização da sociedade e no diálogo constante com os movimentos sociais, na defesa da contribuição cidadã para as campanhas, na força do voluntariado militante, o PSOL alcançou um status que o destaca como nova referência da esquerda nacional, ensaiando ir além da sua sugestão como partido necessário e ocupando um lugar que buscava desde sua fundação: alternativa de esquerda à capitulação lulista patrocinada pela guinada direitista do Partido dos Trabalhadores e sua política “pragmática”.
Ao obter 2,39 milhões de votos para candidatos a prefeito no primeiro turno, superando partidos historicamente mais inseridos na institucionalidade, mergulhados na ordem e com ela compactuando, como PV e PCdoB, o PSOL também ocupou em capitais importantes como Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza o espaço deixado pelo PT junto à sociedade e movimentos sociais.
Ao bradar que “Nada deve parecer impossível de mudar”, qualificou-se como uma oposição que resgata a dimensão da utopia, o discurso ecossocialista, as demandas do movimento feminista, do movimento negro e LGBT, abandonadas por um Partido dos Trabalhadores mais interessado em ampliar sua imensa musculatura eleitoral ao custo da bandeira histórica da esquerda mais próxima de ser rasgada. Politicamente mais respeitado e com sua bancada de vereadores/as enormemente ampliada, o PSOL elegeu seu primeiro prefeito no primeiro turno e foi ao segundo turno em duas capitais.
Estas conquistas foram levadas a cabo por uma profunda ação militante e por um discurso que se diferenciou dos partidos tradicionais, dos partidos da ordem, em uma conjuntura mais favorável que a de 2008, onde ainda recém-fundado, enfrentava um quadro onde a experiência da população com o PT ainda não havia deixado clara a mudança operada naquele partido que se filiou ao vasto ‘clube dos partidos da ordem’.
Com campanhas feitas à esquerda, o PSOL atraiu a população, especialmente a juventude, abrindo boas possibilidades de construção do partido com mais capilaridade que permitiu ampliar a defesa de um projeto de socialismo com liberdade, democracia e com absorção das lutas abandonadas por parte da esquerda e cuja importância era negada diante de um projeto de transformação que só enxergava as questões macro, que só enxergava o desenvolvimento econômico a qualquer custo, ignorando totalmente a dimensão ambiental e a de direitos humanos.
Abrem-se novas possibilidades de construção, o crescimento do partido também exige novas posturas diante da própria consciência critica da população que espera nos ver como alternativa precisa e não simulacros modernizados do que já ai está.
Diante desta responsabilidade, o que se fez no Amapá e em Belém, guardadas as diferenças entre as ações, se torna uma agressão não só às decisões partidárias construídas coletivamente como também às ações cotidianas de nossos militantes inseridos nas lutas e nos movimentos sociais. Estes tiveram o seu discurso e toda a diferença que demarcaram no decorrer de muitos anos jogadas na lama por atitudes irresponsáveis de parte da direção partidária e de figuras públicas como Randolfe, Clécio e Edmilson.
Já anteriormente advertidos pelo Diretório Nacional do PSOL em 2010, por alianças não condizentes com as definidas coletivamente pelo PSOL, Randolfe e a direção do PSOL-AP repetem em 2012 a postura de ignorar decisões do coletivo do partido ao, já no primeiro turno, apoiar, na figura do senador Randolfe Rodrigues, candidatos de partidos com os quais o DN-PSOL havia expressamente proibido alianças.
O Ato político público pelo qual foram feitas as alianças com DEM, PTB e PSDB no segundo turno da eleição em Macapá, torna mais grave a prática, inclusive pela reincidência, evidenciando o modus operandi levado a cabo em Macapá, expondo o partido como um todo não só a ataques de adversários, como provocando o afastamento da parte da sociedade que se aproximou do PSOL por nossas posturas de diferenciação, setores estes e que agora se vêem em dúvida diante de posturas que lembram a lógica do PT em sua célere caminhada para a tucanização.
A postura dúbia de Clécio e Randolfe Rodrigues ao afirmar para o partido uma coisa e outra para a imprensa, só agrava a postura levada a cabo em Macapá. Além disso, a postura dúbia contém também ataques a quem no partido se recusa a ter com uma explicação inverossímil uma relação de bovina passividade.
A preocupação menos em explicar a dúbia postura diante do gravíssimo ato público aliado ao DEM, e mais em demarcar uma posição agressiva de culpabilização de quem resiste a uma práxis por demais similar à capitulação petista e ao abandono de bandeiras histórias da esquerda, que nos opõe a partidos como DEM et caterva, guarda uma similaridade na desqualificação que a direita costuma mirar por sobre os socialistas, sendo sempre chamados de “incapazes de compreender” atos de profundo esbulho e que possuem o desagradável odor de traição, nas lutas cotidianas.
A gravidade cometida em Belém, embora tenha outras tonalidades, também guarda em si um enorme problema cuja similaridade aos malfeitos de Macapá está na lógica do ganho eleitoral ao custo de toda e qualquer limitação exposta por uma construção socialista capilar do partido como oposição à esquerda do Governo Lula/Dilma.
Além da gravidade de negociar no segundo turno mais do que o apoio do PT ao candidato Edmilson Rodrigues, mas também o apoio do PSOL em Belém ao governo Lula/Dilma, com gravação de apoio do próprio Lula, da presidente Dilma e dos Ministros Mercadante e Marta Suplicy, a campanha para prefeito o fez em desacordo com a direção municipal, levando não só constrangimento a todo do partido, empenhado em lutar contra o governo em várias frentes, principalmente em 2012 na longa greve do funcionalismo das instituições federais de ensino superior, mas, sobretudo, também levou a uma divisão entre seus quadros, que poderá resultar em efeitos nefastos para o partido no Pará.
Além de confundir fronteiras entre ‘receber o apoio do PT’ em um quadro eleitoral polarizado, com ‘construir a defesa de um governo que opõe nossa postura partidária em construir uma esquerda socialista conseqüente e alternativa a linha social-liberal do PT’, subordinada aos interesses da grande burguesia brasileira e internacional, a campanha de Edmilson Rodrigues tornou-se de fato, seu representante, um braço político da linha social liberal ao ter em seu programa Lula, Dilma e Aloísio Mercadante louvando seu governo, promovendo um escárnio simbólico da campanha majoritária em Belém para com lutadores e lutadoras que resistiram à nefasta política educacional do governo federal, sendo tratados como vagabundos pelo governo ao qual a campanha se vinculava, ao passo que deveria ser firme oposição a ele.
A campanha Edmilson ao transformar um natural, nas circunstâncias, apoio do PT, em venda do apoio do PSOL, aos governos do PT, também errou ao adotar o discurso combatido pelo partido país afora, que colocava quem se aproximava do governo federal como possuidor de “facilidades” em investimentos, discurso este combatido no Rio de Janeiro, em Fortaleza e Salvador, não só por ser este um discurso despolitizado e falacioso, similar ao coronelismo dos aliados ao governo federal, como também simbolizar a total subserviência a mecanismos viciados de governo.
Tão grave quanto os fato relatados acima, foi a postura do presidente do Partido ao optar por uma explicação dos graves feitos em Macapá e Belém de forma insuficiente, como também foram os ataques que fez a quem discordava, como “expositores do partido”, ao fazer uso de sua figura partidária para atacar a campanha em São Paulo como uma espécie de vingança pessoal por ter sido preterido pelo coletivo municipal.

O presidente do partido agiu como ‘chefe de tendência’ e não como quem tem responsabilidade política, administrativa e orgânica de zelador das resoluções partidárias. Ao tomar parte como integrante da ala defensora das práticas levadas a cabo em Belém e Macapá, atos estes praticados por membros de sua corrente, Ivan Valente foi conivente com estas ações e cometeu uma irresponsabilidade que não condiz como cargo que ocupa. Ou seja, ao não agir como presidente e sim como membro e chefe da corrente a qual também pertencem Clécio e Randolfe Rodrigues, Ivan Valente deslegitimou-se como presidente do PSOL, pois não mais tem legitimidade política para mediar as relações no conjunto do partido.
Diante do exposto, o Setorial Nacional Ecossocialista Paulo Piramba do PSOL se vê na necessidade de emitir uma moção de repúdio às campanhas de Macapá e Belém que, mesmo em Macapá onde foi eleitoralmente vitoriosa, expuseram negativamente o partido perante a sociedade, construíram meios de ataque de nossos adversários onde vencemos politicamente (em cenários muito mais duros), afastaram conquistas feitas na base e atacaram lutas construídas coletivamente por sindicalistas, ecologistas e estudantes, juventude e a sociedade que busca uma alternativa à herança maldita que o PT legou à esquerda. Esta ‘herança maldita’, por sua vez, pareceu ser muito similar àquela vendida como ‘panacéia’ pela direção, em conluio com Randolfe Rodrigues e Clécio em Macapá, e com o desastre cometido por Edmilson em sua campanha em Belém.
Por último, o Setorial Nacional Ecossocialista Paulo Piramba do PSOL solicita a constituição de uma Comissão de Ética, tratando dos atos de todos os que desrespeitaram as resoluções partidárias, ultrapassaram as fronteiras éticas e limites definidos por diversas instâncias partidárias, a exemplo da ação de Randolfe Rodrigues, colocando-se em confronto aberto ao que decidiu o diretório de Rio Branco no Acre, quando apoiou um candidato petista no segundo turno naquela capital e atropelou decisões de instâncias do partido em vários níveis.
PS: Esta nota teve como base a nota votada por sete membros da Executiva Nacional do PSOL na reunião realizada no dia 08/11/2012.
Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s