Brecht dizia que nada parecia mais com um fascista que um burguês em pânico. 
Dizia isso explicando de forma sucinta a situação pretíssima da Alemanha dos anos 30 caminhando a passos largos em direção ao nazismo.
Essa frase, essa colocação, me fez pensar em quanto a lógica da proteção, da ordem, do medo que sustenta o clima político em nossas plagas em pleno século XXI é parente próximo do aumento galopante do pensamento conservador que assusta a quem tem um pingo de humanismo na alma.
Quase que automaticamente surgiu a dúvida se essa lógica do medo não seria filha da naturalização da adequação como prioridade máxima e esta como germinada no coração do pensamento neoliberal que a partir do fim dos anos 80 e do ocaso dos governos socialistas reais se tornou hegemônico nas sociedades capitalistas.
Porque é impressionante como todo e qualquer discurso de radicalidade transformadora, dos mais inocentes aos mais beligerantes, assustam demasiadamente uma juventude que está mais preocupada em ver política como a arte da adequação mediada, educada, comportada, mesmo que propondo mudanças do que vê-la como porta-bandeira da dimensão da utopia e da transformação radical do status quo.
E é impressionante como o ethos do cabelo curto, gravata, sorriso sem feijão no dente, sapato engraxado foi além do closet e penetrou na mente das pessoas.
 E é impressionante como esse ethos comporta em si o medo, o medo de tudo, o medo do confronto, do embate, do enfrentamento e da lógica de derrubar muros que ocultam a luz da cidadania, com medo de “desagradar” a parcelas da população x ou y.
O medo do desagrado, do emitir uma opinião polêmica e que cruze as fronteiras do dito “normal”, atitude que deveria ser obrigação de todo socialista, toma campanhas eleitorais até que partem da lógica de enfrentamento radical cidadão, não abraçando nada que não seja do domínio da cidadania e da administração reformista do estado.
Imagina se a discussão fosse para questões onde não dá pra ficar fazendo mediaçãozinha como  a lógica da desapropriação da propriedade privada ou a própria lógica revolucionária?
Esse ethos do medo irracional, essa lógica de entender a sociedade como um bibelô de poliana, essa ideia de que o mundo não está preparado para o contraditório e precisa da mãozinha “ilustrada” para ser conduzido à reflexão é o fundamento de uma forma de comportamento que ganhou mentes e corações com a hegemonia político-ideológica neoliberal. 
E esta forma de pensamento hegemônico é baseado na necessidade de não tocar de forma radical o estado, de não mudar o status quo, de ir devagar no enfrentamento de vespeiros. Só que esse é o modus operandi que não muda nada e acaba sendo absorvido pelo status que  se transforma no que hoje pode ser chamado de “síndrome do PT” uma versão da síndrome, de Estocolmo para crianças.
Na campanha eleitoral de 2012 no Rio isso fica claro com o medo de uma minoria de partidários de Marcelo Freixo das polêmicas levantadas por ele que vão desde os alimentos orgânicos a citar a Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro em uma entrevista para a rede Globo. 
O medo da inadequação do enfrentamento diante dos vespeiros, o medo de “pegar mal” acaba travando fóruns de debates e organização de ação diante das óbvia mensagem da campanha: “Estamos comprando uma briga, esta campanha é pra mexer em vespeiros e ser pedagógica!”. Não foi um equívoco, não foi um ataque, foi uma colocação com política, esteio no programa e disposição pra enfrentar o debate.
E o debate é doloroso para o pensamento único neo-liberal diluído nas mentes e corações, porque o debate contém em si o germe da ruptura transformadora. Todo debate permite a transformação pelo embate, pelo choque entre ideias, pelo amálgama e pela derrubada de muros e pré-conceitos teórico-intelectuais.
E ai o debate é barrado pelo surgimento do medo e o medo faz aparecer velhos preconceitos, como o da “natural imbecilidade” (atenção nas aspas) dos com baixa escolaridade, como se um homem sem escola não tivesse inventado a roda.
Além disso uma observação óbvia para quem está em campanha: A polêmica alçou o nome Freixo a todos os jornais e emissoras. Para quem precisava ser conhecido nada mais interessante.

Brecht dizia que nada parecia mais com um fascista que um burguês em pânico. E é impressionante como a  cultura conservadora que nos assola deixa a burguesia acesa em um medo que pode se transformar em pânico ao primeiro sinal de transformação. é preciso estar atento e ir demolindo o medo para que a primavera e sua utopia o transforme em coragem.

Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s