Apoiar Marcelo Freixo/Yuka pode parecer natural, pode parecer um caminho quase que automático para quem veio do PSOL e participou dele até o último ano, mas não é.
Não é difícil apoiar Freixo, muito pelo contrário, a admiração pelo caráter do deputado, pelo caráter do Militante e pela sua participação no partido, inclusive sendo o defensor da tese da defesa da legalização do aborto no primeiro congresso do partido, confrontando a posição da então figura pública-mor Heloísa Helena, é enorme e a defesa da tese em si já o qualificava como quadro, tanto pela brilhante defesa como pela postura de respeito ao militante.
O apoio natural, no entanto, tende a ser visto como apoio acrítico e não é o caso. Freixo também comete erros crassos na sua participação no partido a meu ver, se aliando a uma linha partidária que no fim engessa o PSOL em uma estrutura estritamente parlamentar, onde as decisões de cúpula tornam-se decisões de partido. Freixo também comete erros de avaliação, a  meu ver, ao apoiar a filiação de pessoas que não qualificam o PSOL à esquerda, muito pelo contrário, por melhores parlamentares que sejam não tem um histórico de defesa das mesmas bandeiras e já ladearam, assim como Gabeira, candidaturas semi-eugenistas como a de Denise Frossard, como é o caso de Paulo Pinheiro.  Outro equivoco é a lógica de aliança com o PV, que inclusive em seus melhores quadros não é exatamente o sonho de consumo da militância do PSOL e menos ainda da militância ambientalista e ecossocialista do PSOL.
Divergências com Freixo e mesmo com o partido não são poucas, a maioria listada acima, porém o apoio, se não é natural, é quase inevitável sob o ponto de vista do contexto, da conjuntura, do papel político e do simbólico que a candidatura carrega em si.
Freixo representa a resistência a um conjunto de transformações da cidade, e do estado, do Rio de Janeiro que vão desde o avanço do crime organizado como poder paramilitar do estado (milícias) à transformação da cidade em cidade espetáculo, cidade voltada para o lucro empresarial e que reduz a ordem à opressão das camadas mais pobres, das franjas da sociedade e de trabalhadores que tiram seu sustento do comércio ambulante. A candidatura representa também as lutas omitidas, largadas, as bandeiras rasgadas pelo Partido dos Trabalhadores e metade mais um das esquerdas agrupadas no governismo como a luta LGBTT, a luta anti-racista, pelos direitos humanos, as lutas de gênero, contra a criminalização da pobreza.
É por isso também que é inacreditável o naipe dos ataques feitos ao candidato e ao entorno de sua candidatura, que vão desde a desqualificação do candidato como “inventor” de ameaças de morte até uma lógica semi-infantilóide que repete frases outrora lançadas contra o PT tal como ” O PSOL vai governar só com artistas?” e acham interessante esse tipo de lógica eleitoral, lógica primada pela manutenção de uma governabilidade onde o povo removido pelo companheiro Bittar aparece no discurso, mas é esquecido depois.
É inacreditável porque são ataques emitidos por ex-companheiros, por gente que viu Erundina receber este tipo de ataque e viu ataques aos pobres feitos pelo PMDB de Moreira Franco (O mesmo de Paes e Cabral), viu remoções  e bolsa-faroeste para policiais que matavam bandidos feitas por governos tucanos, viu César Maia com suas ações repressivas a camelôs e favelas a ponto de dizer que as ruas tinham de ser lavadas com criolina para expulsar moradores de rua, viu Paes, quando era do DEM do mesmo César Maia,  meter trator em casas de pobres e hoje apoiam governador e prefeito que são da mesma linhagem política.
É inacreditável porque essas pessoas ao invés de buscar uma defesa consciente e firme de suas convicções preferem, por medo do crescimento de Freixo junto à sua base de esquerda, ir mais fundo em sua aliança com a  direita adotando o discurso desta em nome de uma governabilidade que mal esconde um profundo interesse na manutenção de máquinas que financiam atores, blogueiros, sociólogos e sei lá o que mais em sua vida cotidiana.
Esse é mais um motivo para o apoio à candidatura Freixo, porque o elemento simbólico não é aqui apenas de forma tangencial, de verniz de uma candidatura conservadora como foi na eleição de Dilma, mas  que representa também a manutenção de bandeiras de esquerda e de conquista de direitos civis, de direitos humanos e de combate à mercantilização da cidade, da criminalização da pobreza e um vento de esperança em um quadro de continuo avanço das forças conservadoras mal oculto pela retórica ufanista de governistas  que cometem o crime de ocultar derrotas sérias no campo ideológico com inclusive falsificação estatística de novas classes médias.
A candidatura Freixo/Yuka também representa o combate à economização do discurso político de tal forma que o ganho de poder de compra e emprego pelas classes C e D representam um patamar máximo de conquista pelo povo, e para o povo, e que permite que se largue de mão avanços necessários na transformação da sociedade que vá além da manutenção de geladeiras e máquinas de lavar, que permita redução de violência contra gays e mulheres, finalização de um modelo de policia cuja função é proteger menos vidas e mais propriedades e que se sustenta  numa lógica onde o spray de pimenta é  o argumento político por excelência.
A candidatura Freixo/Yuka é um vento necessário, que retoma discussões que a esquerda amontoada ao redor do e da Cara parece ter optado por esquecer esforçada que está em desviar qualquer atenção sobre  erros do governo com a retórica mais chulé que estiver a mão. 
A candidatura Freixo/Yuka é uma necessidade em uma cidade que por receber Copa e Olimpíada parece ter dado a seus governantes a carta branca pra remover, humilhar, mentir e destruir comunidades,laços, casas. É uma necessidade para toda a esquerda, inclusive a que não apoia ou é participante do PSOL, mesmo dos mais radicais, porque abre um espaço público de discussão política com um tensionamento nítido de esquerda e socialista.
É por isso que apoio a candidatura de Marcelo Freixo/Yuka.

Anúncios

Um comentário sobre “Por que apoio a candidatura de Marcelo Freixo/Yuka?

  1. Comentários anônimos serão excluídos. Em debate político se assuem o que se diz com a cara e o nome. Sem mais. Exclui um comentário anônimo alegando brilhantemente que se Freixo não aumentar o pessoal da saúde e da educação vai ser discurso eleitoreiro e que Caetano e Chico juntos cheira mal.. até deixaria, se tivesse nome e demonstrasse o registro da Ordem dos Videntes do Brasil ou indicasse o motivo de cheirar mal a dupla apoiadora com mais que "Caetano é reaça!". todo comentário anônimo será excluido.. quer discutir e colocar suas questões, falar mal do Freixo e me xingar ou não? fique à vontade, mas ponha seu nomezinho, ok? Quem achar que isso é antidemocrático pode ter certeza que até é, mas não tem obrigação nenhuma de ser.

    Curtir

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s