Um dos problemas paradigmáticos da ciência, de todas elas, mas em especial das humanas, é o viés eurocêntrico. A ideia de um processo racional linear de pensamento, de construção cultural, de entendimento do outro, do estado, do poder, da noção de coletivo e de transformação política, construída na base iluminista e mantida, levada a cabo como regra, cláusula pétrea de pensamento e vivência, de luta política e de transformação político-sócio-pessoal marca uma negação de qualquer modus operandi e de pensamento que não siga regras circunscritas em propostas de viés europeu, de Marx a Adam Smith, Hayek,etc..
Não há problema no ler, saber, viver e pensar entendendo a contribuição de quem quer que seja, mas torná-la manual prático de práxis, a ponto de ignorar variações culturais, de construção do arcabouço de realidade à mão de povos diferentes, construídos de barros diferentes por mestres Vitalinos plenos de uma vitalidade similar à de Michelangelos, mas independentes de uma Grécia Clássica e mais próximos de uma percepção de povo feito das mãos de um Deus colorido que de tez moura samba qual Malasartes.
Esperamos revoluções e entendimentos que incluam uma Pachamama tão parecida com Gaia que nos dá o vislumbre do cabelo Louro Greco-Romano-Anglo-Germânico-Saxão, de uma ideia de Deusa menos índia e mais presente nos salões cultos da gélida Europa. Pedimos democracia direta, mas sambamos de horror quando assembleias indígenas tornam-se um só voto, um só, unido, incontestável, criado numa coletividade que não leu Locke.
Criamos um paradigma de laicismo que torna a fé um anátema ao invés de combater fundamentalismos, entendemos o mundo religioso como externo a  ele mesmo, como uma copia fiel de uma fé construída na base do papismo dourado de uma idade média tida como das trevas e fingimos não ver Revoluções pintadas nas cores das Folias de Reis tão medievais quanto o dourado dos Bentos, mas com a pele herege tatuada de muito mais do que leituras de Lênin costumam perceber.
Precisamos de mais radicalidade real, criada do olhar da raiz, do beijo na raiz, de uma macaxeira frita em banha de porco e de uma raiz múltipla, contida de peles e mãos negras, mulatas, indígenas, Nagô, aimará, Tupinambá, Guarani, Banto, Gêge, Ketu.
Precisamos que Marx coma Tacacá, que Macunaima dance um Fox Trote na cara do Luiz XV. Precisamos misturar Chiclete com Banana e por bebop no samba.
Tá na hora da reeducação de alguém, de ver Pachamama devoradora de homens e irmã das Onças e não uma mistura de Gaia com India Potira. Precisamos ver o Admirável Gado Novo, o povo marcado ê, o povo feliz, do lado dele, olhando no olho dele, cheirando ele e não na distância próxima do arcabouço intelectual que cisma em ignorar Levi-Strauss que achava banguela a Guanabara
É preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte de uma civilização sem civilidade, sem o civil mundo distante dos salões, feito de Funk, Hip Hop, Tecno-Brega, feito de transformações que zoam a estética de nariz em pé afrancesada.
É preciso ver a moeda número um do Tio Patinhas sendo tomada pelas mãos da criança feia e morta que nos estende a mão.
Precisamos de uma ciência e de uma política que vá além do manual prático do intelectual de esquerda Brasileira. Aquele sujeito com a barba por fazer de três dias, limpo, cheiroso, versado em Francês, que dança um tambor de crioula limpo, cheiroso, versado em francês, que ouve o sertanejo do Piaui, sem ouvir o Funk do Piaui, que fala de uma religião de almanaque, que fala de uma revolução de almanaque.
Precisamos devorar o Bispo Sardinha em nós mesmos, precisamos ser peça de churrasco na mandíbula do anárquico. 
Precisamos do popular e perigoso terreno da galhofa.
Precisamos do popular para além do sorriso burocrata do sindicato que deleita-se ao ver o bolsa-familia assinar a Veja.
Que vivamos o mundo Macunamicamente, que sejamos churrasco na lage, que sorriamos o caos, que lambamos o riso cruel dos ônibus da Avenida Brasil, o ódio surdo do sol na cara em três horas de percurso, a raiva descarregada no puta que pariu que xinga o Juiz.
Precisamos de um novo nós, com o umbigo dos descobertos, sem camisa, de havaianas, em cada esquina.
Precisamos andar assim de viés, tomar a praça como um salão, precisamos ser ralé.

Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s