Em tempos de crise máxima 1929 reloaded com altas tintas fascistas o debate sobre Deus e o Diabo na Terra do Sol avança com fome na vinculação clássica de conservadorismo à fé, entre outras histórias. Além disso, a direita vira um monstro de geração espontânea, o povo vira conservador de per si, a consciência vira um substantivo amorfo que muitas vezes significa “concordar comigo” ou mesmo “apoie o governo senão os tucanos voltam”, e a população que discorda de mim, de você e da Magali vira uma mistura de cachorro com gado.
No meu tempo gente letrada pagava pau pra pensar e encontrar soluções e não pra ficar no rame rame do facilismo, ma eu sou um idoso de 37 anos e sou da velha esquerda, talvez não tenha rococós suficientes pra bancar o style intelectual em voga, que usa uma forma bacana pra ocular reducionismos.
Tem conservadorismo saindo pelo ladrão no mundo? Tem e esse namoro dele com o fascismo,seja de velho ou novo tipo, é um treco que tem mais causa que briga em favela. Eu não tenho bagos suficientes pra bancar uma análise histórico-econômica da crise, mas acho que posso dar uns pitacos sobre a relação disso tudo e da nossa amarga vida de esquerdista zabumbador maluco. Se rolasse mais tempo vosso escriba poderia sentar aqui e contar a História usando os velhos e bons sábios Ingleses Hobsbaw e Thompson, mas vou ficar na cultura de orelha mesmo porque o tempo ruge e urge.
O conservadorismo não sai do ralo, não é gerado pela chuva e pelo sol em alternância esquentando e esfriando o lixo, ele tá ai numa disputa política clara em uma sociedade. A tal Luta de Classes, por mais complexa que seja dentro de uma mudança radical das classes de Marx pra cá, tá aí pra isso, mesmo tu chamando ela de outra coisa.
O Estado como é hoje, e foi ontem, é parte de um conceito de vida, de estrutura de sociedade e de relações sociais, esta bagaça não surge do dia pra noite, ele tá aí e é um processo que não manda pro lixão algo automaticamente quando uma classe chega ao poder. O Estado e a sociedade convivem com tempos históricos diversos em sua formação cultural. Existem elementos nas sociedades “ocidentais” que ainda são pré-medievais, e para o bem e para o mal, não há uma interrupção cultural quando uma ala da sociedade ganha o poder mesmo que por séculos. Quando a Burguesia chegou ao poder, quase três séculos atrás, ela não simplesmente substituiu a lógica da Aristocracia pela dela, em muitos casos houve fusão de modos, de pensamentos, de atos e costumes, ou seja, negozinho se juntou e ficou tudo junto misturado. Então a burguesia repete a aristocracia ainda hoje? Em parte sim, em parte não. A hegemonia cultural conquistada foi conquistada com absorção da aristocracia de valores burguesas antes mesmo da conquista do poder definitivo. 
E esse ai é um exemplo grosso modo de algo bem mais complexo e complicado de ler, ver e interpretar quando a gente olha pro real.O que tem isso a ver com a questão do conservadorismo? Tudo. Qualquer sociedade tem impulsos de mudança e conservação dentro dela, e em ambos a cultura se move pra mudar aqui e ali a quantidade de gente que concorda com cada lado pro Fla x Flu final chamado Revolução, ou algo que o valha. Pra conquistar o estado tem de conquistar o domínio dessa cultura, tem de ser o cara que é visto como o que tem a “razão” a respeito de suas bandeiras como as melhores pro todo da sociedade.
E o que tá rolando? Os conservadores hoje pautam a rapaziada, eles são os caras, eles tem o controle do pensamento. Ah, mas não tão no governo! Não tão no governo? Não afirmaria isso, mas mesmo que concordasse arriscaria a dizer que estarão e em breve. Sabe porque? Porque hoje eles pautam o estado, pautam o pensamento, ajudados pela mídia, aparato de hegemonia privada a serviço disso, e pautam o boteco, a padaria, o banheiro dos homens e das mulheres, a escola das crianças. E pautam porque a Esquerda que deveria fazer propaganda do contrário, assumiu o jogo conservador e foi se adaptando a ele em nome da opção pela disputa institucional ao invés da rebelião que incluísse uma rebelião de costumes e uma disputa pela hegemonia do pensamento da população.
A esquerda optou por se engessar, calar o que lhe fazia diferente, ocultar sua rebelião pra conquistar governos, abdicando do controle do estado, em nome da opção direta pela reforma. A opção pela reforma é legal até certo ponto, pois começa a ter hora que os nego preto cansam e percebem que o monstro não é tão feio e usam a opção pela máquina pra conduzir o governo a seguir o controle do estado que possuem com suas diversas formas de máquina de controle de hegemonia,desde pressão parlamentar a igrejas, passando por jornais, revistas e apostilas escolares. Ao optar por ser aceita e ganhar governos a esquerda tornou-se igual ao que combatia e é absorvida pelo jogo, e o o jogo lhe mostra que o controle do estado pelos conservadores conduz seus governos e estes governos tem cada vez menos margem de negociação das poucas bandeiras “rebeldes” que ainda mantém consigo. Hoje a meu ver o controle conservador do governo atual é tão grande que ele pouco se diferencia do sue principal adversário eleitoral.
Essa opção da esquerda de se negar à rebeldia das ruas pra manter o controle de governos leva a um fosso de ausência de qualquer contestação concreta, orgânica, ao pensamento único conservador que avançam mais e mais agregando mais e mais gente pra combater uma “esquerda”, que só tem um governo e não o estado, e alijar qualquer oposição, seja ela política racial, de gênero ou orientação sexual, do poder e dos direitos.

Não é a fé que faz o mundo conservador, é o mundo conservador que usa a fé, como os jornais, os colunistas, o padeiro.E é isso que leva à pastores, deputados, colunistas, jornalistas, padeiros, vendedores de cerveja ou empregados da Light a reproduzirem com cada vez mais violência o mais absurdo comportamento reacionário e leva ao crescimento mundial do fascismo e nos leva ao um abismo cujo fim tem uma serpente que saiu do ovo enquanto comemorávamos qualquer cosia feita pelos “caras” da vida. 

E é por isso que precisamos cada vez menos do Deputado de terno, educado, formalmente perfeito pra ganhar a classe média e mais do Zabumbador Maluco, o personagem de rua , aquele que faz esporro,  que transforma tudo até a última ponta, sem medo de chocar, porque seu choque é a fome, é o ronco da cuíca que o homem manda parar.
É preciso raiva pra interromper, antes que nos interrompam.
Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s