Imagine uma situação em que uma pessoa se encontra subjugada por outra. Bem, formas de subjugação existem muitas, então pensemos numa pessoa presa por ser considerada de “raça inferior”, acorrentada ou junto de outras vítimas num campo de concentração ou campo de trabalho. Agora pensemos no seu algoz: satisfeito com o tabalho feito e com a situação em que pode liberar seus impulsos perversos, ele ri. Sim, o riso nem sempre pode denotar uma situação agradável – pelo menos do ponto de vista da vítima. Alguém que seja agredido na Avenida Paulista pelo fato de não se encaixar nos padrões – no caso, por exemplo, um homossexual – dificilmente achará graça ao se ver apanhando no vídeo da câmera de segurança, quanto mais ao lembrar do momento em que sofreu a agressão.
Com o humor é diferente, ou pelo menos deveria ser. Pode ser puro sarcasmo, que tem a ver mais com o deboche. Pode se aproximar mais da ironia, que tecnicamente falando é algo como “dizer o contrário daquilo que se pensa”, em que essa contradição fica clara para o interlocutor e tem como motivação a crítica – que pode ser uma crítica aos valores vigentes ou a uma situação ou pessoa específica. No sentido da transgressão de valores, a ironia pode ser vista como elemento importante para que a poesia ou a literatura (de ficção) não se baste no belo, na elaboração estética, que pode ser apenas apaziguadora. Para o campo do humor, portanto, a ironia deve ser ainda mais importante. Mas o ponto principal: para ser transgressor, para provocar esse efeito distanciador (crítico), antes de mais nada o humor não pode se confundir com uma situação como as descritas no parágrafo anterior. Pois aí deixa de ser humor para ser no máximo um sarcasmo perverso. Algoz e vítima devem emergir na matéria crítica do humor, o que é diferente de ser o “humorista” o algoz ou seu porta-voz.
Um exemplo de humor transgressor que tiro de uma charge contada por um amigo (não sei a autoria): no primeiro quadro, uma senhora com aparência grã-fina (vestida elegantemente e com ar de enfado) entra no elevador social do edifício, e se depara com uma senhora negra, de expressão humilde e vestida de uniforme. Segundo quadro: a senhora grã-fina (branca) se dirige incomodada à outra e diz “Com licença, mas este elevador é o elevador so-ci-al”. Terceiro quadro: a senhora negra, sem graça, estende a mão à outra e diz “Puxa, senhora, me desculpa… Me chamo Maria de Fátima [se apresentando] e trabalho no 703…”. Ou seja, pelo fictício, que articula o verossímil (uma situação “bem real”) com a ironia, a charge nos mostra que a palavra social pode denotar tanto a comunhão como o contrário – no caso, uma rígida divisão social normalizada numa divisão funcional dos elevadores, para além da utilidade do elevador de serviço (como alguém me lembrou) para o transporte de equipamentos, latas de lixo etc. Mas esse raciocínio tecnicamente correto não elimina a agudeza da charge – e não é preciso o riso pra perceber a ironia, pois a ironia, ao ter potencializado seu ter crítico/transgressor, causa o efeito de impacto ou choque diante de valores estabelecidos e situações naturalizadas. Claro que a forma que eu interpretei a charge poderia ser contraposta a outra, sem senso de ironia (“ultra-realista”), que veria na charge a representação preconceituosa da ignorância da empregada doméstica.
Penso também que é – ou deveria ser – sempre saudável para um humorista profissional ter em conta que o humor deve conter auto-ironia, pois é esquisito um homorista pretender provocar um efeito de distanciamento crítico sobre valores, pessoas e situações quando deixa fora desse horizonte crítico a si mesmo – enquanto ser-humano também limitado e sujeito a erros. Auto-ironia parece completamente ausente quando o humor é confundido com uma espécie de cruzada contra o politicamente correto.
Claro, o politicamente correto pode muitas vezes ser tacanho quando se perde em coisas como querer abolir o uso da palavra “denegrir”, ligando-a ao racismo por conta da simples associação etimológica, desprezando o uso e o significado efetivo que tal palavra tem, que não se liga ao racismo – o que é completamente diferente de sugerir que não há racismo no mundo, incluindo o Brasil.
Mas é esse desprezo, digamos, pela contextualidade que os cruzados contra o politicamente correto vêm demonstrando. Por mais tacanho que por vezes o discurso politicamente correto possa ser, isso não elimina o fato de que a realidade que denunciam precisa ser levada a sério – não usei o exemplo de um homossexual sendo agredido na Av. Paulista por acaso.
Hoje temos a discussão no Congresso em torno da lei anti-homofobia. O que se deseja é apenas a expansão do Estado democrático de Direito que, no caso, significa que um homossexual tenha na prática os mesmos direitos que qualquer heterossexual tem, desde demonstrar afeto pelo(a) companheiro(a) numa mesa de bar até ter o direito de não ser agredido na rua por conta de sua orientação sexual (!). Mas os homofóbicos querem fazer crer que o que se deseja é a imposição de uma “ditadura homossexual” (!), como se defender os direitos de A fosse necessariamente diminuir o de B – a não ser que o que eles defendem seja mesmo o direito de alguém se colocar como algoz do outro. Isso é pelo menos o que sugerem piadas como essa: Toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia… Tá reclamando do quê? Deveria dar graças a Deus. Isso pra você não foi um crime, e sim uma oportunidade. Homem que fez isso não merece cadeia, merece um abraço”. Fazer piada com vítima agora é sinal de rebeldia?
A piada acima é de um dos integrantes do CQC, Rafinha Bastos. Recentemente, deparei-me com uma foto dele, na internet, com uma camisa “humorada” ridicularizando o movimento LGBT e, por conseguinte, toda a luta ampliação do Estado Democrático de Direito. Tudo em nome de quê? De uma suposta transgressão contra a ditadura do politicamente correto?
E hoje veio a novidade, o que me motivou finalmente a escrever alguma coisa sobre o assunto – depois também do impacto causado pela exposição que o programa deu ao deputado Jair Bolsonaro e a polêmica involuntária (?) decorrente da resposta de teor racista do deputado à pergunta da Preta Gil. A novidade de hoje tem um contexto: a polêmica em torno do cancelamento da construção de uma estação do metrô num bairro paulistano da alta renda devido a protestos de moradores, que não queriam o fluxo de pessoas “diferenciadas” para o local.  A piadinha de outro integrante do CQC, Danilo Gentili, pelo twitter: “Entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez q chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz”. (O bairro tem muitos moradores judeus).
Seguindo o exemplo da charge do elevador, tentei pensar interpretações possíveis para essa tirada humorística (?), e só consegui pensar em duas: ou é uma explícita tirada (o termo mais adequado é esse) politicamente incorreta e, neste caso, brincando com/de nazismo, ou é uma forma cínica (o termo mais adequadao é esse) de usar a imagem de “velhinhos judeus traumatizados” para justificar nossos próprios e já não tão mais disfarçados racismo e discriminação de classe. Enfim, o que há de humor nessa tirada?
Quando houve a polêmica em torno de uma tirada irônica do mesmo Gentili – “Agora no TeleCine KingKong, um macado q depois q vai p/ a cidade e fica famoso pega 1 loira. Quem ele acha que e? Jogador de futebol?” –, interpretada como piada racista, eu me posicionei contra qualquer forma de censura ou sanção ao autor pelo fato de que o humor deve ser preservado, tanto porque quem tem que interpretar ou julgar uma piada não deve ser um censor, como também porque afinal toda sociedade precisa de certos espaços de válvula de escape, de escracho – e continuei a defender isso mesmo depois que o pseudo-humorista, diante da polêmica, fizera questão de posar de machão politicamente incorreto fazendo questão de legitimar a interpretação feita (de que a piada havia sido racista). Pois a questão é mais ampla que o direito do Gentili ser um péssimo humorista e um idiota, ela teria a ver com precedente jurídico.
O que preocupa é que tal cruzada politicamente incorreta (ou melhor, “anti-politicamente correta”) se dá num contexto de mobilização reacionária contra o movimento LGBT e explicitação, mediante especialmente à chegada da (preciosa, no saldo geral) internet, de preconceitos contra negros, pobres, nordestinos… O que parece é que essa galera “bem” humorada está mais a fim de surfar nessa onda que qualquer coisa, e fica mais “cool” posarem de ousadinhos e (pseudo-)transgressores – cabendo a moderação quando é conveniente, como no caso da resposta de Bolsonaro à Preta Gil.
Mas esse tipo de “humor” que se pretende engajado em uma causa (qual causa?) precisa ser combatido de frente, o embate é político. Como opinei aqui, deve-se questionar antes de tudo os pressupostos da cruzada desses “humoristas”. Há mesmo uma “ditadura politicamente correta” se formando no Brasil, que faria deles uns transgressores e rebeldes? Talvez o problema seja de déficit intelectual, até mesmo para entender o significado de ditadura, de opressão, de Estado de Direito… Mesmo o integrante principal do grupo, Marcelo Taz, já mandou as seguintes tuitadas: “E se o BOPE, a Polícia e as Forças Armadas, depois da operação no Rio [invasão do Complexo do Alemão], fossem limpar o Congresso Nacional?”; “Escolas de samba ressurgiram do incêndio melhores que antes. Se alguém tocar fogo no Congresso, aquilo toma jeito?”. Claro, nada tenho contra críticas à politicagem e aos problemas no Congresso, ainda que feitas da maneira mais rasa e clichê. Mas acredito que um cara tão inteligente, descolado, antenado e crítico como o Taz deve ter acesso suficiente à informação de que, na história contemporânea, ataques ao Parlamento sempre estiveram associados a regimes de força, e tais regimes de força sempre tiveram como parte de suas políticas, em graus variados, a discriminação e até mesmo o assassinato sistemático de pessoas ou grupos inteiros de pessoas tidas como incômodas para o “bem-estar” da sociedade. Quem é Bolsonaro, além de um homofóbico declarado (e não se declara racista certamente porque o racismo já é crime na letra da lei)? Um defensor da ditadura.
Então, termino transformando uma colocação acima em pergunta: é questão de déficit intelectual ou de neofascismo disfarçado de “humor”?
Victor Coelho
Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s