O futebol é estranhamente tratado como coadjuvante nas pautas jornaleiras no que ele tem de político, não internamente, mas na relação entre o esporte mais amado do país e o poder real, aquele que usa faixas, e o poder da hegemonia cultural, especialmente na relação da mídia com a comunicação democrática.
 Esse papel de coadjuvante dado a algo que culturalmente marca percepções da realidade, jargões, ditos, e em que a população em peso tem algum tipo de posicionamento, para o bem ou para o mal, é algo que surprende, ainda mais quando parte do aparato midiático o trata como “apenas um jogo”, como algo que sai da “seriedade” e é “pra se divertir”. O futebol, é café com leite, primo das novelas e do cinema, é tratado como algo que é apenas um show. Tal percepção não é uma limitação intelectual, mas um desprezo solene pela determinação popular da importância do esporte em suas vidas e pela rede de relações que o esporte tem nos meandros políticos oficiais, e sua importância na manutenção de impérios de comunicação, como eixo de poderio que obviamente influencia nos usos e costumes destes impérios e sua influencia em outras áreas.
 O futebol elege pessoas, mantém uma importante parte da economia, gera receita, gera com uma grande capilaridade uma teia de membros que formam maiorias, bancadas e tem poder de influencia direta em votações no congresso, na geração de receitas para empreiteiras, ainda mais em período próximo a mega-eventos esportivos,  e outras áreas da economia. O futebol é um grande negócio, e pai de vários grandes negócios. A relação da mídia, especialmente televisiva, como futebol é diretamente ligada a estes grandes negócios, mas também se relaciona com o tamanho do poder de influencia das redes determinado pela concentração de audiência e pela tradição de transmissão esportiva como meio de manutenção desta audiência. Este segredo de tostines guarda uma relação de ganho de poder e de concentração de mídia, que paulatinamente se transforma no domínio da Globo sobre o esporte a ponto de determinar que sua programação é determinante dos horários de jogos, em uma inversão de valores onde o conforto e o direito de milhares de pessoas são inferiores às necessidades de transmissão pela primadona.
 A possibilidade da grande Vênus Platinada tomar um olé e perder o direito de transmissão do campeonato Brasileiro não é  algo que afeta apenas o esporte, o horário dos jogos ou a relação de poder entre os clubes e a CBF, amiga íntima da Globo, mas que abala mais que isso, abala a relação comercial da Vênus com diversos grandes negócios relacionados com o futebol, causa um terremoto no poder da emissora e a leva a outro patamar na busca pela manutenção da audiência, e isso afeta o poder de influencia, fora o financiamento da máquina da rede. 
A perda dos direitos por parte da Globo abre uma brecha para um ganho de democratização na mídia, pois regulamenta em parte , distribui o poder das redes, reduzindo a concentração de audiência e os plenos poderes da Vênus sobre não só o esporte, mas sobre o que se discute no dia a dia, o que é ou não notícia, pois a audiência vai ter de ser reconquistada e com força e isso não se faz apenas com filmes, dado o peso que o futebol tem na cultura, no dia a dia do brasileiro.
 Por essas e outras que a CBF mexeu-se e ataca a união dos clubes no clube dos 13, já abalada pelas peraltices de seus cartolas, através de medidas de agrado a clube a ou b, como os reconhecimentos dos títulos de antes de 1971 e agora do título do Flamengo em 1987, títulos esses que parece que precisavam de reconhecimento cartorial, quando o histórico bastava. A ação da CBF é um meio de pressionar para que não se rompa o eixo de contratos firmados entre os clubes e a Vênus, aliada da Confederação em obscuros negócios e assuntos, e impeça o surgimento de outro player de peso na área, que possa fortalecer os clubes ao ponto destes não necessitarem mais beijar as mãos do Capo di tutti capi Teixeira…
O peso do “coadjuvante” futebol nos negócios, audiências e infraestrutura política é algo fundamental para entender como o “Jogo”, o “divertimento”, tem uma importância superior à sua redução à uma paixão “leve”. Entender o quão influencia no peso das pautas jornalísticas das emissoras, e com isso na audiência às idéias defendidas por emissora A ou B, é fundamental, assim como entender a importância comercial para as emissoras e a importância de barrar movimentos de maior independência dos clubes é necessário para manter uma rede de relações políticas que vão além da manutenção do poder da rede e da cartolagem, e se relacionam diretamente com outros interesses, interesses esses que elegem pessoa,s formam bancadas,etc..
 A democratização da mídia hoje pode passar pelo futebol, por isso que o Imperador Teixeira se une à Globo e suas ações fomentam uma divisão que poderia enfraquecer ambos. É a união de forças para impedir abalos na carcomida estrutura.
 
Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s