Em 2010 criou-se uma atmosfera na esquerda de apoio cerrado à candidata Dilma Roussef diante do crescimento da candidatura e das ações da direita, cada vez mais reacionária. Mesmo quem optou pelo voto nulo sentia a pressão para o apoio sob o rótulo de “apoio indireto á direita”, caso continuasse com uma postura política que não fosse a do bumbo coletivo.
 Várias vezes o debate político foi travado diante de traves que impediam avanços na construção de pontes, a desconstrução da esquerda não-governista era por vezes palpável no argumento de vários dos defensores do apoio à Dilma a qualquer custo. 
 Por trás das paixões que se elevam nos embates eleitorais, nas escolhas, não havia só uma busca de vencer a direita, mas também uma lógica de exclusão de qualquer oposição à uma política que parte da esquerda endossa de gerenciamento qualificado do capitalismo.
 Então caminhamos lado  lado, todos no combate á direita, alguns no apoio crítico à candidatura do governo e  outros no apoio cerrado ao governo e à candidatura, e chegamos à eleição da primeira mulher a presidir o Brasil. Mesmo quem não votou em Dilma lutou contra o crescimento da direita,a meu ver o alvo principal da esquerda e junto  a quem votou em Dilma, criticamente ou não, construiu e pavimentou uma civilizada relação entre campos da esquerda rumo à ampliação deste espectro político na vida nacional, correto? Não necessariamente.
 Após as eleições a busca de manutenção do clima binário, de nós ou eles, se tornou parte integrante da postura de vários companheiros, muitos deles blogueiros conhecidos, que entrevistam presidentes,etc. A lógica de apoio acrítico ao governo se manteve, como se o combate à direita só fosse possível com a criação de uma claque organizada e que nunca critica a formação, as posturas e as políticas do governo. Como se a esquerda se reduzisse ao governo e seus apoiadores. A esquerda que não segue o tom do bumbo por vezes sofre nos debates o que se chama de rodo nas assembléias, ou seja, o debate é interrompido porque a postura crítica  é tratada como ataque frontal. 
 Mesmo nas iniciativas que se propunham amplificadoras de uma rede de publicadores de esquerda o que se via era o direcionamento da divulgação evitando ampliação real da divulgação de idéias que não fossem as alinhadas com o apoio integral ao governo Dilma.
 O Sectarismo criticado na ultra-esquerda encontra eco na esquerda governista quando a idéia de mobilização passa diretamente pelo alinhamento ao governo e qualquer crítica a ele se transforma num comportamento que falta pouco pra ser chamado de “quinta-coluna”.
 Enquanto isso a formação de pontes entre organizações de esquerda sofre um revés, seja na divisão da construção de uma rede de blogs de esquerda que possa se transformar em uma literal opção de comunicação à mídia tradicional, seja na construção literal de redes pessoais de opinião e idéias que possa respeitar divergências e avanças nas lutas que são agenda comum.
 É preciso ir além do apoio ao governo e ir fundo no apoio à uma agenda comum, ir criticamente na relação com um governo que não é da esquerda, é composto por uma malha de partidos e interesses que por vezes são frontalmente antípodas aos de qualquer grupamento ou individuo de esquerda, principalmente a socialista. É preciso entender que o apoio a um governo não precisa ser um cheque em branco, um apoio incondicional, porque além da simbologia da primeira mulher eleita, existe um estado, um estado capitalista,  e este é conduzido por um governo com uma miríade de apoios, cuja constituição inclui membros da velha direita da ARENA, de acordo com um sem número de interesses, pressões e tensionamentos que na maior parte das vezes é um muro aos interesses que defendemos.
 Confundir apoio à decisões que estejam de acordo com uma rede de bandeiras comuns com apoio integral ao governo, o que incluiria apoio á medidas como as da mudança no código Florestal, Belo Monte,etc, é bola fora na tentativa de construir mais que um bando de chiliquentos que se juntam em época de eleição e depois se divide em uma claque feliz contra críticos ferozes.
 Se os blogs de esquerda forem mais do que pessoas que buscam entrevistar presidentes é hora de começar a se construir uma rede real, ampla e democrática, até porque governos e partidos mudam, e por vezes nos abandonam.
Anúncios

Comente, mas cuidado...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s